engolir

Se você notou: dificuldade para engolir, sensação de algo parado na garganta, engasgos ou tosses frequentes, ocasionados pela saliva ou por alimentos, apresenta febre, rouquidão, nota cansaço ou restos de alimentos na boca após a alimentação, CUIDADO!!!!!!!!!!!!!

Pode ser, que você esteja tendo uma alteração na deglutição (Disfagia).

Esta alteração é mais comum do que você imagina.

Na disfagia ocorre um desvio da saliva e/ou alimento, obstruindo parcialmente ou completamente as vias respiratórias.

A ocorrência pode ser em diferentes fases da vida, especialmente em idosos, onde ocorre o envelhecimento natural das estruturas envolvidas na deglutição (lábios, língua, bochechas etc.), também por Traumatismo Craniano, as doenças Neurológicas (como Alzheimer e Parkinson), as distrofias musculares, o Acidente Vascular Encefálico (derrame) e o Câncer de Cabeça e Pescoço.

Pode ainda, acontecer devido a refluxo gastroesofágico grave, após longos períodos de entubação e próteses dentárias mal adaptadas.

É importante entender que, a Disfagia, causa problemas sérios como: desidratação, desnutrição , provoca problemas emocionais, o isolamento social e pneumonia, além do risco de morte por asfixia.

Sintomas de Disfagia o que fazer?

As alterações de deglutição devem ser diagnosticadas e tratadas conjuntamente por médicos, nutricionistas, enfermeiros e, fundamentalmente fonoaudiólogos, que são os profissionais aptos à atuação específica da função.

Orientações durante a alimentação:
  • Alimente-se sem pressa;
  • Caso necessário, coma alimentos mais pastosos e tome líquidos mais “espessos”, evitando assim engasgos;
  • Nunca alimente-se deitado, salvo em caso de orientações específicas;
  • Mantenha a postura ereta e confortável;
  • Caso seja usuário de prótese dentária, a mantenha bem adaptada.
Atenção: “A alimentação é indispensável, mas também é um ato de socialização, que aproxima pessoas, da amamentação às reuniões em família ou aos almoços de negócios, também ressaltando a satisfação pelo prazer de comer.”

Reconhecendo as alterações persistentes, neste processo, procure o tratamento adequado e uma Fonoaudióloga.  

Compartilhe:

Deixe uma resposta